Imprimir
Visualizações: 1375
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votes)

Autor: Joana Carvalho (Aluna)
Título: O Poço
Escrito a: 08 de outubro de 2013
Class.: Literatura Portuguesa
CDU: 821.134.3

 

 

O Poço

 

Ali está ele, perto do meu quintal, o poço, que dizem não ter fundo…

Debrucei-me e vi escuro, apenas. Não queria atirar uma pedra. Era crucial, para mim, a curiosidade, aquele desejo de saber e ao mesmo tempo não saber…afinal, a curiosidade matou o gato…serei eu o gato? Ou a curiosidade que o matou? Infinitas possibilidades de alguma coisa acontecer… A minha efémera vontade, o meu desejo desistente, o meu cínico sorriso, a cicatriz marcada nos meus olhos com a intenção de mergulhar naquele poço sem fim…

A cripta do meu coração esconde as vontades mais obscuras e proibidas, esconde-as do amor, como se fosse ácido para as mesmas. Quem me dera poder escorraçar o pensamento e a necessidade de saltar para aquele poço, só para ver se realmente não acabava! Quero que ele acabe? Talvez não…talvez ponha fim à curiosidade que me corrói por dentro, que me come viva, como se estivesse com fome.

O espectro do poço assombrava-me durante a noite, fazia-me arrepiar até aos ossos, estes que não se sentem satisfeitos estando neste corpo. Comecei a estrebuchar. Maldito poço, maldito gato, maldita cripta!... Cansei-me, por fim. Aquela obstinada curiosidade faz acontecer o eclipse de tudo, ficando apenas uma coisa…aquela cavidade aberta no solo, que me atormenta.

Levantei-me, pensativa, e caminhei até ao local nunca esquecido. Que escuro…e se o mundo fosse sugado para lá e ficasse retido? Sinceramente não me importava que isso acontecesse, porém continuava sem saber o que estaria lá dentro nas profundezas pretas que ainda me chamam, tentam e provocam.

Os meus olhos reluziam, o gato espreitava com os olhos verdes e pelo preto, o meu coração acelerava devido à ansiedade, e então saltei…